terça-feira, 16 de outubro de 2012

ALIMENTAÇÃO

INTERAÇÃO COM OS ALIMENTOS


A água tem a consciência de ser útil e benéfica. Para não desaparecer, interatua com a nossa consciência (alma): "Eu sinto-me útil". De acordo com a experiência, sabe-se que a rutura ou o colapso da estrutura cristalina não são bons sinais. Por outras palavras, o critério de avaliação depende do que se possa sentir. Se é justo ou não, num só olhar.
Mosura Emoto, Mensagem da Água (p. 20)
Este excerto define a consciência da água e o modo como a mesma interatua quimicamente com quem a olha, mantendo a estrutura formada enquanto congela, sob uma indução musical, ou rompendo a estrutura perante um olhar agressivo.
Já o cereal tem a consciência de ser fiel, exercendo a função de nutrir e de alimentar. A água interatua com a consciência do Homem (alma). Como age/reage o cereal? Atua quimicamente, ora alterando a distribuição espacial de biomoléculas, ora exercendo efeito sobre o sabor, o que produz uma reação no hipotálamo a nível do sistema nervoso vegetativo.
As leguminosas têm a consciência de ser um alimento que dá força/robustez(1); fornecem um elevado teor de proteínas, mas têm muito nitrogénio e, portanto, não devem ser ingeridas em excesso.
As leguminosas reagem como os cereais ao nível do hipotálamo e integragem com quem as come.
O vegetariano tem consciência que precisa delas para se fortalecer, o carnívoro despreza-as e recorre à carne.
As féculas são relaxantes. São muito adequadas às pessoas nervosas. Todo o doce (os açúcares) torna as pessoas mais tranquilas. Por exemplo, os sul-americanos são muito tranquilos e nada impacientes, pois elas são um elemento essencial na sua alimentação.
Os legumes têm a consciência de serem habilidosos/engenhosos. São bons para o intestino delgado, porque estimulam a abosrção intestinal. Este constitui um sistema de õrgãos, que inclui a zona de vocação ou sonhos, situada no tálamo, cuja função é estimular as perspetivas do próprio indivíduo. Salente-se alguns exemplos: a cebola, o pimentão, o tomate, as setas (cogumelos) e/ou a couve.
As hortaliças têm a consciência do respeito pela Natureza. São verdes e simbolizam-na.
Reagem como os cereais e interatuam quimicamente com o agricultor, com o cozinheiro do restaurante e com o consumidor, gerando neste uma consciência em relação à Natureza,
desde que: 
        ·  não se tome remédios;
        ·  não se tome nenhum tipo de droga;
        ·  não se beba muito álcool;
        ·  não se tenha vícios;
        ·  não se mate para comer.
Os frutos secos têm a consciência de nos trazer satisfação. Devem ser ingeridos como um complemento alimentar. Reagem como os cereais, interagindo com a pessoa que os come. Eis alguns exemplos: as nozes, as amêndoas, os pistáchios, as tâmaras, as bolotas, as castanhas, etc.
As frutas dão-nos o sentimento de não matar para comer.Atuam sobre a consciência da paz (área situada no tálamo que nos torna pacíficos).
Os sabores atuam sobre a hipófise e tonificam as hormonas. Esta tonificação produz satisfação à pessoa, fazendo com que se sinta em paz. Se não estiverem equilibradas, produz-se "carência", o que deixa a pessoa inquieta.Todas interatuam com o consumidor, sem se alterarem quimicamente.
O Leite
A. Leite Materno:
Faz com que o bebé se sinta seguro e sem medo.
Esta alimentação liga a criança à mãe protetora após o corte do cordão umbilical (vínculo à mãe). O desmame deve ser feito, no máximo, aos 9 meses. Caso contrário, gera-se um vínculo protetor excessivo.
B. Leite Animal (incluindo leite materno não tomado do peito ou o da ama de leite):
Este leite oferece potencial de alimentação até que a criança possa comer normalmente.
O ovo (não incubado) tem a consciência de proporcionar firmeza/estrutura por ser muito rico em aminoácidos: ácido glutamínico, arginina, cisteína, fenilalanina, hidroxilina.
É um modulador talâmico.
Esta interação resulta na alteração real do sabor da comida. Um cozinheiro carnívoro não é fiel a este tipo de alimento; prescinde dele em favor da carne, logo, não há interação. Pelo contrário, se for um cozinheiro vegetariano – artesão, pode vir a ser refletido no alimento o mais subtil estado de espirito do cozinheiro.
Se o alimento é bem preparado, sente-se querido e reage bem quimicamente. O cozinheiro artesão esforça-se por querer impressionar (ego vital) e sentir-se útil, da mesma forma que acontece com a comida.
Este tipo de cozinheiro não utiliza o alimento só para saciar a fome e seguir em frente, ou seja, sem encontrar prazer.
(1)
8 Daniel, porém, propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.
9 Ora, Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos.
10 E disse o chefe dos eunucos a Daniel: Tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois veria ele os vossos rostos mais abatidos do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim poríeis em perigo a minha cabeça para com o rei.
11 Então disse Daniel ao despenseiro a quem o chefe dos eunucos havia posto sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias:
12 Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias; e que se nos dêem legumes a comer e água a beber.
13 Então se examine na tua presença o nosso semblante e o dos jovens que comem das iguarias reais; e conforme vires procederás para com os teus servos.
14 Assim ele lhes atendeu o pedido, e os experimentou dez dias.
15 E, ao fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes melhores, e eles estavam mais gordos do que todos os jovens que comiam das iguarias reais.
16 Pelo que o despenseiro lhes tirou as iguarias e o vinho que deviam beber, e lhes dava legumes.
(Daniel1:1-21)

domingo, 7 de outubro de 2012

CONSCIÊNCIA





A consciência era uma couve, mas veio um burro e comeu-a” 
provérbio português


A sociedade de hoje perdeu completamente a mais elementar noção da consciência, ignorando que esta é o elemento fundamental na nossa relação com a natureza, determinando todos os nossos atos que podem ser bons ou maus, gerando consequências numa ou noutra direção.

A consciência residente no nosso cérebro, indica as transgressões que, conjugadas, podem por vezes, manifestarem-se com sintomas fortes, podendo chegar a degenerar órgãos e produzir quadros clínicos exacerbados.

É o arquivo das nossas memórias, mas também é o arquivo das nossas transgressões que de alguma forma irão ser pagas. Toda a ação tem uma reação:

"Pagas com a morte porque determinam um processo degenerativo orgânico."

"Pagas com dívidas de consciência, entre sintomas que só poderão ser resolvidos mediante o perdão divino."

Todas e cada uma das doenças pelas quais passamos não são mais do que o reflexo dos nossos próprios erros, daquilo que fomos e do que devemos pagar à justiça divina.
Por outro lado a doença é aquela justiça inata que o organismo tem de nos tornar conscientes, de modo a que não voltemos a errar.



terça-feira, 18 de setembro de 2012

II - TERAPIAS ALQUINATURISTAS - QUAL A DIFERENÇA?


O ORGANISMO PROPÕE E O MÉDICO DISPÕE 

As Terapias Alquinaturistas são todas aquelas terapias naturais testadas empiricamente, coerentes com o organismo e usadas para a cura. 
O que as diferencia das terapias naturais originais é que as Alquinaturistas foram desenvolvidas, tendo como base três elementos fundamentais:

1. Estudo de uma fisiologia unitária baseada em dados das Ciências Médicas, mas que diferem destas ao nível da complexidade da inter-relação fisiológica e funcional bem como na inter-relação do sistema de órgãos e dos sistemas energéticos. 

2. Estudo do conhecimento empírico fornecido por medicinas não académicas, baseadas na observação, que nos são de grande valor - a Medicina dos Sentidos.

3. Estudo do que nos propõe o próprio organismo - "Médico Interno" – quanto ao diagnóstico e tratamento, através da criação de um diálogo com o próprio organismo, mediante testes musculares ou vias de interconexão pineal-talâmicas "paciente-terapeuta", que permitem diagnóstico e tratamento preciso, confirmado por uma longa experiência clínica com resultados efetivos. 

Por outro lado, inclui a introdução de novas terapias que são essenciais para a cura. 

"O que está a meio, será completo 
 O que está torto, endireitado
 O que está vazio, preenchido 
 O que está velho, renovado 
 Quem tem pouco, receberá 
 Quem tem muito, perderá 
 Por isso o sábio abraça a unidade e serve de exemplo para o mundo”
                                                                                                             Lao Tzu – XXII


A DOENÇA É UM ESTADO ORGÂNICO RESULTANTE DA TRANSGRESSÃO ÀS LEIS NATURAIS 

Para a Medicina Natural “a Doença é um dos dois estados que ocorrem em todos os seres vivos na natureza."  Esta definição não deixa de ser uma visão puramente linear e simplicista, porque a doença ocorre quando se altera a ordem natural e as leis da natureza. 

A doença não aparece espontaneamente, tem a sua origem em leis de causa efeito que regem a natureza.  Neste sentido, analisando a doença numa perspetiva mais profunda, não podemos encará-la duma forma negativa, antes pelo contrário. È uma reação positiva que nos alerta para uma mudança de atitude e para que possamos corrigir erros de conduta.

Não devemos ser ingénuos ao ponto de acreditar que a natureza tem os seus próprios erros.  A natureza é perfeita.  Somos nós que nos afastamos dela, e ela reage.  Os vírus, os micróbios, e pólen, etc… não fazem mais do que reativar um terreno (organismos), suscetível a agentes patológicos externos. 

Então podemos concluir o seguinte: "A doença é um estado do orgânico, resultante da transgressão às leis naturais". 

 "Para te tornares saudável faz o contrário do que fizeste para adoecer." 
 Aforismo Hipocrático

A FITOTERAPIA OU TERAPIA ATRAVÉS DAS PLANTAS

O efeito da fitoterapia reside nos seus princípios ativos que, aplicados de uma determinada forma e em dose adequada, provocam uma resposta coerente não agressiva no organismo, de acordo com o efeito potênciador da planta, tendo em vista a auto regulação do organismo para restabelecer a saúde.


A CONSTITUIÇÃO BIOQUÍMICA DAS PLANTAS NÃO É VENENO, É TOLERÂNCIA ORGÂNICA 

"Praticamente todos os grandes remédios farmacológicos provêm do reino vegetal.  As propriedades medicinais das plantas devem-se a determinadas substâncias químicas que se chamam "princípios ativos".  Estes podem ser essências, ácidos, resinas, gorduras, mucilagem, etc., e principalmente alcaloides e glicogénios (ver lição XXIII). Mas, para que o princípio ativo de uma determinada planta atue com a máxima eficácia e sem perigos tóxicos, é fundamental, segundo já referimos (p.369), que seja combinado com outras substâncias que alterem a sua ação em bruto e preparem a sua perfeita tolerância orgânica; como é o caso da constituição bioquímica da planta. O isolamento dos princípios químicos ativos ou corpos básicos é, à partida, um erro terapêutico do qual nós nos temos afastado." 

 in Curso de medicina natural em 40 lições,
de Dr. Eduardo Alfonso

MEDICAÇÃO PERIGOSA - OS FÁRMACOS PARALISAM OU SUPRIMEM AS FUNÇÕES VITAIS

"As drogas ou medicamentos químicos, paralisam ou suprimem, na maioria dos casos, as funções úteis e defensivas que constituem os sintomas.  Outras vezes excitam certas funções orgânicas, com consequente depressão, que, de acordo com a lei de Fere, dura mais tempo do que a excitação (purgantes, que produzem prisão de ventre, outros que produzem desfalecimentos cardíacos, estricnina, que leva à paralisia, etc.).

Porque havemos de ir sistematicamente contra os sintomas que apresenta o doente, sintomas esses que são sempre funções compensatórias de estados orgânicos anormais?  Porque havemos de suprimir uma febre com uma droga, se o aumento do calor tem por objetivo aumentar as oxidações e os processos digestivos e circulatórios intercelulares, para queimar e eliminar as substâncias patológicas? Porque havemos de dar excitantes digestivos, a quem perdeu o apetite como defesa para evitar uma sobrecarga tóxica? Porque temos de reduzir ou eliminar, às cegas, a expulsão exagerada de certos humores (diarreia, hemorragias, secreções pulmonares...) através dos quais o corpo descarrega as suas toxinas? " 

in Curso de medicina natural em 40 lições,
de Dr. Eduardo Alfonso

OS SINTOMAS SÃO UM PROCESSO DEFENSIVO E ÚTIL 

"Os erros de uma terapia por drogas são baseados no equívoco do conceito que se tem da doença, pois ao olhar para ela como uma coisa má, claro que se impõe uma terapia supressiva, que é o efeito de tomar ou aplicar produtos farmacêuticos. Tudo seria diferente se, se considerasse a doença como nós a consideramos, um processo defensivo e útil. 

Quanto menos tivermos de recorrer a medicamentos para o tratamento de doenças, todos os efeitos que obterá através deles, poderão ser obtidos com a ação de agentes naturais, inteligentemente aplicados, tal como afirmou o Dr. Cortezo.  Isto, desconsiderando que a ingestão de drogas (como sucede com a inoculação de vacinas e de injeções de soro) aumenta a alteração química dos humores, causa fundamental de todos os males, e que ocasiona frequentemente, como veremos, danos, geralmente piores, que a própria doença."

 in Curso de medicina natural em 40 lições,
de Dr. Eduardo Alfonso

A SUPRESSÃO DE SINTOMAS AGUDOS CONVERTE-SE EM DOENÇAS CRÓNICAS 

"A sucessiva supressão de sintomas por meio de drogas, não consegue outra coisa, a não ser a manifestação do mal num outro sítio, isto é, revelar-se de uma outra forma.  Pois a natureza, ao ver-se contrariada na sua função defensiva, toma um outro caminho. Persistir-se no erro, converte-se uma crise aguda (doença febril), em doença crónica. Não observam os médicos, todos os dias, casos de doentes que, ao suprimirem um eczema passam a ser afetados por um catarro, e outros que, ao suprimirem uma dor de estômago, lhes passa a doer o nervo ciático, ou outros ainda a quem, por ter sido suturado inoportunamente um abcesso frio no joelho, se torna em tuberculose do peritoneu ou de pulmão?  Qualquer médico, bom observador, comprovou, sem dúvida, todas estas coisas. " 

 in Curso de medicina natural em 40 lições,
de Dr. Eduardo Alfonso